ARQUITETURA COMERCIAL - FACHADA!

A IMPORTÂNCIA DA BOA ARQUITETURA PRESENTE EM SEU COMÉRCIO!

Não há dúvidas de que um ambiente bonito, funcional e confortável favorece o bom desenvolvimento do trabalho dos funcionários de uma loja e estimula as compras por parte dos clientes.
Essa preocupação, é claro, deve estar presente em todo o conjunto da loja, desde seus depósitos e áreas de serviço, passando pela área de vendas até alcançar a fachada. Isto demonstra a preocupação do empreendedor com os detalhes e com certeza, em um mundo altamente competitivo, são os detalhes que fazem a diferença.
Daí a importância de que uma loja já tenha uma boa apresentação naquela sua parte que pode ser considerada um verdadeiro cartão de visitas: a fachada. Sendo a fachada a primeira
referência física da loja para o público, pode fazer realmente a diferença e transformar um pedestre, um motorista ou um passageiro, efetivamente, em um cliente.

Não é recomendável aguardar até que a fachada apresente um aspecto deteriorado para reformá-Ia: o empreendedor deve estar permanentemente atento a manter sempre 100% este elo de comunicação com sua clientela atual e potencial. Não bastasse o desgaste natural dos elementos que fazem parte de uma unidade de varejo, o mundo dos negócios muda muito velozmente e é importante acompanhar as transformações nas expectativas do mercado.
Não é por acaso que as fachadas geralmente são bem elaboradas. Sem causar uma boa impressão desde o primeiro momento, os esforços de vendas terão que ser redobrados quem sabe, apenas para suprir uma primeira comunicação deficiente.
Esta é pois a palavra chave quando se fala de fachadas para uma loja: comunicação. A fachada será tão mais eficiente como elemento de apoio às vendas, quanto maior for sua capacidade de comunicar às pessoas tudo aquilo que a loja que lhe está por trás pode potencialmente oferecer.

A primeira idéia que deve ser passada de imediato é a de cuidado, asseio e limpeza. Não adianta criar uma bela fachada se não for realizada uma manutenção adequada, que muitas vezes não vai além da água e sabão. Ou seja, para combater aquele indesejável depósito de poeira e fuligem que tanto prejudica a leitura correta dos elementos da fachada e para demonstrar que o empreendedor trata com carinho seu negócio, a fachada deve ser mantida sempre limpa e bem conservada. Eventualmente, uma limpeza básica deve ser suficiente. Se já houver sinais de deterioração, porém, é recomendável que se providencie uma reforma, nem que seja apenas um retoque na pintura - para que a fachada continue com seu grande poder de comunicação. É indispensável, portanto que os elementos da fachada sejam de fácil manutenção e que o acesso a eles seja prático.

Em se falando de limpeza, existe um outro tipo de poluição que ataca muitas das fachadas de lojas: não se trata desta vez de poeira, fuligem, nem chuvas ácidas: estamos falando da tão temida poluição visual. Às vezes, envolvidos pelo entusiasmo de faturar um pouco mais, alguns empreendedores fazem um verdadeiro loteamento de suas fachadas para informações de seu negócio ou publicidade de fornecedores. Não queremos dizer que estas formas de comunicação e faturamento são erradas, muito pelo contrário, podem contribuir positivamente para o negócio, desde que guardados certos limites. Deve-se portanto, evitar uma poluição visual excessiva que prejudique a leitura por parte do público pelo excesso de informações, ou que transmitam uma idéia de bagunça, desorganização.
Uma vez definidos estes critérios, a preocupação imediata deve ser com a harmonia dos elementos que compõem a fachada. O próprio prédio que abriga a loja tem algumas características arquitetônicas específicas: volumes, reentrâncias, janelas, portas, marquises, frisos, telhado, etc. que devem ser consideradas.

Outro elemento importante são os materiais de revestimento. A escolha correta dos materiais pode enriquecer visualmente a fachada transmitindo diversas idéias. Materiais nobres como pedras, alumínio, vidros especiais tendem a valorizar o projeto. Entretanto, materiais simples, como pintura podem também causar boa impressão desde que utilizados com critério, buscando harmonia com o conjunto e mantidos sempre bem conservados. O que não funciona, por exemplo, é escolher materiais caros, sofisticados, mas que não combinem entre si. Ou que pela falta de manutenção adquiram rapidamente um aspecto de desleixo e decadência. É importante, em todos os casos, manter em mente o público-alvo a quem se destina o estabelecimento. Como exemplos, um excesso de materiais nobres pode causar a impressão da prática de preços altos em um bairro periférico de baixa renda, enquanto um acabamento excessivamente simples pode comprometer o visual de estabelecimentos instalados em regiões de maior poder aquisitivo da cidade. Deve-se dar preferência aos materiais mais resistentes, duráveis, que não acumulem poeira e que sejam de fácil manutenção. Os materiais perto dos olhos do público e dos clientes também devem receber um melhor acabamento, enquanto aqueles vistos apenas à distância podem ter um acabamento simplificado.

Toldos e marquises especiais, bastante comuns em lojas de varejo, são elementos que merecem toda a atenção. Uma vez que têm uma função prática bem definida, que é a de proteger os clientes das intempéries quando estão chegando ou saindo da loja com suas compras, este toldos e marquises devem combinar, devem dialogar com o restante da fachada. Deve-se evitar a sensação de que foram colocados às pressas, que foram forçosamente adaptados ou que não combinem visualmente com o prédio ou com a comunicação visual.
Outro elemento que deve se harmonizar com os restantes é exatamente a comunicação visual. Os letreiros da loja, assim como os de patrocinadores, devem manter uma ordem que, como recomendamos acima, não venha a poluir e transmitir uma idéia de desorganização na fachada. Em termos de hierarquia, o nome da loja deve sempre vir em destaque. Ou seja, o usuário não pode ter dificuldades para identificar o nome e ramo de atividade de uma loja de varejo. Isso pressupõe que os letreiros que identificam a loja estejam em local de destaque, com boa visibilidade e iluminação adequada e que tenham "peso" visual compatível. Não vale exagerar em painéis de patrocinadores minimizando o nome do estabelecimento. Tudo deve ter sua importância relativa e equilibrada na fachada. Os letreiros, painéis e semelhantes também devem ser bem conservados. Se estiverem sujos ou com lâmpadas queimadas podem fazer até o efeito contrário que se deseja: assustar os consumidores. Os clientes poderão tirar conclusões às vezes erradas: "se 'ele' cuida tão mal assim da fachada, que é seu cartão de visitas, como estará cuidando das suas dependências internas?".

Os custos de manutenção e operação de uma Unidade de Varejo, desde o layout da loja até a fachada também podem ser minimizados a partir de um bom projeto de arquitetura e programação visual. Ao projetar, todos os fatores que concorrem para a construção de uma fachada bonita e eficiente podem ser estudados e harmonizados antes da execução, garantindo um melhor resultado final. Um bom Projeto de Arquitetura para a fachada de uma Unidade de Varejo deve buscar ao mesmo tempo relacionar a loja com a vizinhança, sem agredi-Ia, sem causar transtornos desnecessários aos vizinhos (que enfim, são clientes também) mas também fazendo com que a edificação marque sua presença e seja rapidamente identificada pelo público consumidor como uma Unidade de Varejo competitiva.

Abaixo incluímos uma lista de rápida sobre o que fazer e o que evitar quando o assunto é reformar a fachada de uma loja de varejo:

O QUE FAZER:

O QUE EVITAR: